“Urbana” (31/08/2018)

Um amigo me disse
Que a poesia devia permanecer à margem
Talvez por isso combine com os muros
Nossos limites diários
Nossa ilusão de segurança
Mas a poesia segue nesta margem
Pois ignoramos nossas cercas
Nos cercamos de verdades farpadas
Acreditando estar a salvo da solidão
A poesia na parede fria
Recebe olhares desenganados
Ela encara e não desiste
Não importa o sentido desde que o faça
Ele embarcou para Barra Funda
Muita gente, muito tempo
Muita realidade que vem de dentro
Caem os filtros, caem as máscaras
E na borda da loucura
Quem resiste é o verso
Cru e sem açúcar
Coloca teu pé no chão
Lembra que há vida na próxima estação
Mesmo que seja apenas poesia

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Lei Universal” (31/08/2018)

Perdoe-me por todas promessas tolas que já fiz
Acreditei que a vida era questão de troca
Acreditei no sacrifício pela recompensa
Que tua justiça era feita de contra-pesos
Eu cai tantas vezes do precipício
Pensando que poderia voar
Quando o propósito era, na verdade, se entregar
Se pulei, o fiz por mim
Eu realmente acreditei que estava agradecendo
Que as coisas boas da vida não podiam ser de graça
Que não poderia conquistar nada sem abandonar um prazer
Mas não foi pedido nada pela minha reza
E hoje entendi que fiz pela minha paz
O mundo é um equilíbrio de energias
Mas não obedece nenhuma lei de mercado
Tudo que a vida mais quer de nós
É que façamos tudo com a devoção do amor
Que mergulhemos em nossos sonhos sem restrições
Doemos a essa nossa existência o nosso melhor e mais sincero
E as conquistas, a felicidade e plenitude que virão
Serão consequências e nada além disso
Desculpe-me demorar a compreender
Quando uma força intercede por nós, o faz de boa vontade
Esqueça agradecimentos, sacrifícios, dívida
Só é preciso ao interceder no mundo, fazê-lo com a mesma boa vontade
 

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Despertar” (17/08/2018)

Todo dia quando acordo
O celular inteligentemente me sugere
Adiar
Mas o que posso esperar de um dia
Onde o primeiro compromisso que assumo
É deixar para depois
Na cama cabe qualquer tempo e espaço
Só que e a minha vida?
Vai me esperar?
A verdade é uma fuga
Nove minutos para escapar
Assusta não saber do quê
O que vale evitar?
Podemos realmente não sentir?
Os olhos não vão longe
A consciência me supera
É dia
Minha única chance é o coração
Para resgatar o que esqueci
Para que a luta não seja em vão
O depois é a esperança
De nunca chegar

A hora


Ass: Danilo Mendonça Martinho

Enredo

Queremos uma resposta pronta, um final feliz. Cada dia mais percebo que o fim é a parte que menos importa em qualquer história. Resultados serão sempre apenas resultados, pontuais, efêmeros, parte de um todo. Precisamos prestar atenção nas batalhas, que nada vem fácil e que uma boa história é escrita com muita persistência no caminho.
Enredo” (22/05/2018)
Os altos e baixos são rápidos
Qual seria fingimento?
Um plano não um sonho
Só mais regras a seguir
Posturas condicionadas
Ideias programadas
São passos sem porquê
Tento e eis o erro
Assumir a esperança
É exaurir o corpo
Desgastar as possibilidades
Arriscar sobrar só realidade
Aceitar a derrota
É viver sempre hoje
Amargar toda alma
Entregar-se ao acaso
Para um falta força
Para outro falta coragem
Personagem sem propósito
Acaba sem solução


Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Anáforas”

Nos detalhes as palavras mudam todo seu sentido. Eu fico aqui nesse espelho procurando os nuances que vai mudar todo meu destino. A vida chega e escapa em um suspiro, eis o tempo que temos para descobrir nosso caminho.
Anáforas”(18/05/2018)
Quando importar o que faço
Não me importará o tempo
Mas se me importo com o peso
Como hei de achar o que importa?
Não faz mais diferença a tristeza
Não é diferente de uma prisão
Pareço indiferente ao sonho
Sem saber o que difere a ação da esperança
Falo na procura de uma luz
Quando me calo também não acho
Digo mas nunca convenço
Escrevo para não ter que dizer adeus
Tudo que me resta é esse horizonte
Amargo tratar como resto a liberdade
Resta então o consolo do pensamento
Se isso é sobra, o que me é inteiro?


Ass: Danilo Mendonça Martinho

Sobre Torcer

Hoje ocorre um fenômeno muito raro, infelizmente. A união de uma nação. As diferenças são colocadas de lado por uma paixão em comum, por um desejo, por um país. Veja que não é que todos passaram a se amar, se entender, ou concordar um com o outro. Simplesmente encontraram um objetivo maior que sua individualidade para se unir e lutar, e sofrer, juntos. Todos nós acreditamos em algo, todos nós temos uma ideia do que seria um país ideal para se viver, todos nós queríamos nossos problemas atendidos. Pois bem, que tal hoje servir de inspiração para todo resto. Que tal ao invés de gritar, de fechar os olhos ou tampar os ouvidos a gente converse com nossos pares, com nossos vizinhos, com os desconhecidos também. Eu sei, eu tenho absoluta certeza, que existem coisas em comum em todos nossos desejos para esta sociedade. Eu também sei que somente juntos nós podemos parar este país da mesma forma que vamos fazer hoje. Por mais improvável que lhe pareça, acredite em mim quando digo que a pessoa ao seu lado também quer o bem de todos e que existem muitas lutas que superam as nossas individualidades e pedem a nossa união. Estamos mergulhando de corpo e alma hoje, que façamos isso todos os dias. Inspire-se!
 
 
 
Dias de torcer, dias de jogar” (27/06/2018)
 
Eu ouço as primeiras cornetas do dia
Eu sei que da TV HD até o rádio de pilha
Todos estarão na mesma torcida
 
Não haverá credo, raça, classe
Como um dia desejou uma canção
Seria demais que eu desejasse
Todo dia este mesmo coração?
 
Juntos podemos até parar o mundo
O que faz soar como absurdo
Deixar nosso país quase moribundo
 
Olhe ao seu redor e olhe além
Sinta a força dessa voz
Nossa luta não pode ser aquém
A resposta está em todos nós
 
Se todo dia fosse jogo de seleção
Se dependesse de ti essa nação
Agiria unido pela mesma paixão?
 
Comemore, grite, liberte-se
Ao lado tu tens um ombro amigo
Amanhã lute, reivindique, inspire-se
Há uma sociedade que conta contigo
 

Ass: Danilo Mendonça Martinho

Sobre Resultados

Ontem em uma saudável discussão com amantes da poesia uma questão me ficou na cabeça. Como olhamos para os resultados em nossa vida como definidores de nossas escolhas, de quem somos, do que faremos, para onde vamos. Confesso que meu horizonte não era diferente de ninguém e cá caminhava eu esperando acontecimentos para enfim ser feliz. Mas a verdade é que isso não faz o menor sentido. Veja a vida, por exemplo, ela tem um resultado inevitável, a morte. Por causa deste resultado alguém aqui desiste de viver? Ou na verdade a ideia da morte te faz viver mais intensamente, e ser feliz, e amar o máximo que pode? Então pense no que você mais ama fazer, pense na pessoa que você mais ama, e pense se em ambos os casos o resultado desses amores fossem, sem sombra de dúvida, te trazer solidão, você os largaria agora? Quando acreditamos em algo, quando sentimos algo, pouco importa os resultados. O que importa é viver com a maior entrega e sinceridade possível. Esqueça esses pontos de chegada e veja como sua vida pode ser mais simples e plena agora. Peço a gentileza aos que quiserem, de compartilhar aqui suas paixões, o que te move nessa vida, são sempre sentimentos inspiradores. Inspire-se!
Uma ótima segunda-feira.
O meio do caminho” (25/06/2018)
 
Ser sincero é confissão
O crime da alma é sentir
O medo não é a culpa
Mas sim a solidão
 
Minha palavra engasga
Custo para acreditar
A pele ficou dura
O coração inexpressivo
 
Pensei que me faltava opção
Seguia pelo costume
A gente se conhece muito pouco
Mas há o que não se pode ignorar
 
Movimentar o corpo
É como mover montanhas
Só se faz com paixão
O que te move?
 
Enxerguei apenas resultados no horizonte
Buscava conclusões e não caminhos
Distribui minha felicidade em amanhãs
Por isso abracei a decepção
 
Hoje voltarei a lutar
Pelo que acredito e levo na alma
E se o fim for apenas solidão
Terei uma história para me orgulhar

Ass: Danilo Mendonça Martinho