“Conversa Séria” (29/04/2019)

Vem cá tristeza
Vem cá sufoco
Vem cá peso
O que estão fazendo aqui?
Quais são seus nomes?
Quem tem que partir,
Eu ou vocês?

Eu queria entender
Sentir de uma vez
Chorar tudo que preciso
Tudo parece melhor que isso
Esse é meu pior momento
É essa a verdade

Poupe-me os eufemismos
Não quero saber de esperanças
Nem brinque com promessas
Somos só nós aqui
Não meçam as palavras
Venham com toda sinceridade

Máscaras eventualmente sufocam
Somos o que sentimos
Não vou falar de luz no fim do túnel
Quero falar sobre atravessá-lo
Sobre toda aspereza e escuridão
Chega de maquiar a vida
Fugir nunca foi opção

 

“Minha Poesia” (15/04/2019)

Eu preciso que você seja livre
Saia sem hora para voltar
Não sou seu dono
Na verdade você é minha guia
Teu brilho mais forte
Tua palavra mais profunda
Precisa de tempo e vida
Sou eu que devo adaptar
Entrar na sua cadência
Para o encontro ser sublime
Sei que não me abandonaria
Já forçamos versos nesse silêncio
Fragmentos de sentimentos
E isso não é certo
Somos feitos para ser todo
Sem restrições, regras, rotina
Apenas pura manifestação da alma
O mais sincero e simples
O mais verdadeiro e humano
Perdão, por te fazer aquém disso
A porta do coração está aberta
O pulmão está cheio de ar
Mergulhe em qualquer inspiração
Seja livre, por favor
Seja completamente livre

 

“Caminhar” (18/03/2019)

Sem querer
Virei um deles
Preso neste agora
Fazendo disso meu todo

Eu tinha planos
Desenhei uma vida inteira
Precisava de tempo e espaço
Sabia esperar

Só que não
O discurso disfarçou
A alma não deixou de sentir
Fui mais desespero que paciência

Lembro
O quanto queria amar
O quanto queria que fosse logo
Me decepcionava todos os dias

Hoje completo
Meu imediatismo mudou o foco
Quero para ontem minha realização
E mergulho em fracassos sucessivos

Eu não sei
Se é medo do tempo
Se é a preguiça do caminho
Se é só vontade de ser feliz

Penso que é tudo
Só quando for livre
Respeitar o momento do sonho
Deixar o futuro chegar
Encontrarei paz

Como evitar pensar?
Como não sentir o gosto?
Como deixar de lado?

Este é o aprendizado
O cotidiano até ensina
Mas se encarar e conhecer
É o verdadeiro passo em frente

 

Para vocês sempre saberem que os amo (12/03/2019)

Vai ser um mundo de saudades
Essa terra tem muito canto
Para um coração só

Não consigo encher os olhos de lágrimas
Tenho confiança plena na felicidade
O começo de uma paz

Não falta um centímetro de amor
Aprendi a fazer por você o que fez por mim
Entrega sem pensar em si

Quando a gente olha para trás
É só para certificar o que é de cada um
E o que você deixou em mim já é muito

No fim o que é a distância
Se não uma medida para quem esquece
Não deixaremos de ser esse abraço

Voa como tantos já voaram
Se permita antes que seja tarde
E deixa que eu cuido da saudade

 

Uma mensagem de áudio

Gravo no meio de uma loucura
Dirijo em uma tempestade intensa
Mas o que me preocupa mais inunda aqui dentro
Eu sabia o caminho dessa estrada quando tudo começou
Mas quando o norte é o coração
O horizonte pode se perder muito rápido
Eu vivi meus melhores dias intensamente
Sem a consciência para aproveitá-los plenamente
Eu amei, sofri, eu aprendi
Mas como essa chuva que me pegou no meio da tarde
Ancorei toda minha vida
Uma decepção, um fracasso, uma palavra
Fiz do meu inconsciente um armário de mágoas
Está na hora de tudo isso acabar
Se a imaginação é livre por que prendê-la no passado?
Sempre tive sonhos tão lindos
Porque abandoná-los agora?
A questão nem é realizá-los
Mas se imaginar melhor, possível, feliz
Tudo começa nessas crenças involuntárias
Depositadas no fundo de nosso âmago
Na parte escondida de nossas mentes
Eu vou limpar as prateleiras
Com raiva, com ódio, com choro
Aqui nesse coração vou guardar o que é bom
E vou imaginar aquilo que é melhor ainda
Vou perder horas olhando pro infinito
Mas um que vai valer a pena se admirar

Então você me diga que tudo e impossível
Que você me conte que não há segredo
Que você me revele que não há saída
Não fará diferença o final
Sabendo viver a vida

 

“Calar” (22/02/2019)

A palavra cobra compromisso
Começa a rasgar a razão
Mas o que sinto não é simples

O lamento diminuiu
Mas a dúvida permanece
Como um velho disco riscado

Não é abandono, é chance
Eu que não sei do quê
Arrasto desolações

Vida não tem volta
Tem memória que dói como agora
Perspectiva de um cansaço

Controle é a fala
Audacioso considerando o inconsciente
Impossível é uma barreira mental

O sono vence
Eu entrego desejos
A madrugada é silêncio, não palavra

“Entorno de alma”

Meu sonho é dizer adeus, mas como ser livre?
O peso dos dias me faz pedir aos céus o que nunca precisei que fizessem por mim
Tudo que passa é tempo, ou pode ser vazio?
É alguma lição ou para testar o limite?
Não espero respostas apenas saídas
Estou agindo dentro da inércia
Quem sabe a ilusão do movimento faça a vida caminhar
A verdade é que minha alma precisa de provas
Falta a coragem de abandonar o que é seguro
Falta a vontade para aguentar o que pode dar certo
Guardo as forças pelo que ainda acredito
Será que caibo dentro da fé?

Ass: Danilo Mendonça Martinho