“Às avessas com o tempo” (06/05/2019)

Ô tempinho que não serve pra nada
Tá sempre em falta
Tem pressa sem ter motivo
Isso quando não parece que nunca vai chegar

Eita tempinho que não leva a lugar algum
Já foi promessa e profecia
Já te viraram de ponta cabeça
E onde você nos deixou?

Ah tempo, vontade de quebrar tua cara
Insiste nesse desencontro
Faz gracinha com esperanças
Depois passa como se nada tivesse acontecido

Tempo você me cansa!
De todas voltas que você já deu
Nunca um amanhã demorou tanto
Nunca vi vida nesse breu

 

Fato Cotidiano – “Nunca vi”

Disseram na minha cara e as palavras me fizeram morada. Minha alma como em um ataque a um corpo estranho se afastou daquela, que há muito tempo, já é a minha verdade. Ali na minha frente entre pares o ontem parecia uma eternidade, esquecera as feições, os gestos? Nunca fui bom em disfarces e naquele momento era evidente que já não era nenhum segredo que a alegria me deixara. Antes me descobrissem apaixonado, antes fosse uma vergonha do que este gosto amargo. Preocupa-me a amargura tomar conta e não saber voltar. Quando foi que me calei? Quando foi que o abraço ficou longe? Quando a indiferença passou a fazer mais sentido? E talvez a questão mais importante, eu que não sou ou deixei tirarem de mim?

É triste se perceber menor, mas é fundamental se perceber qualquer coisa. A consciência é a primeiro passo na mudança e a vida é um caminho que exige adaptações diárias, difíceis. Não se iluda pelos seus olhos, nunca acordamos no mesmo lugar. Algumas vezes nenhum espelho é capaz de dizer o que um estranho enxerga de primeira. Lutei contra a realidade, sim me falta a paz e liberdade, mas quando me disseram nunca terem me visto sorrir…..bom, pensei, nunca é tempo demais para um sorriso.

IMG_4732

Procrastinação_02

Na química do nosso corpo, como calcular a alma? O corpo dorme, mas e o peso que ainda sentimos, e a vontade de se esquecer mais um pouco, o desejo de não precisar fazer nada, a liberdade de deixar tudo para amanhã? Isso está tão enraizado que não fazemos ideia de como mudar. É pano de fundo de cada fala, cada ação, cada sentimento. Parece que nossa razão escapa para um universo de fantasia. Vidas inteiras de sucesso, aventuras, alegrias. É difícil não se deixar levar. Mas por mais liberdade que se sinta, por mais alto que seja o voo, ainda fica um nó na garganta. O tempo não perdoa e parece que o sonho fica cada vez mais longe. O que mais dói no final do dia é esta beirado do possível, pois na verdade tudo que imaginamos é realizável, desde que não fique para depois.

Ass: Danilo Mendonça Martinho

 

Martírio



Martírio” (30/07/2018)
Pegou a faca
Provavelmente a última
Esquentou o pão
Provavelmente amanhecido
Tomou o chá
Provavelmente sem açúcar
Vestiu o paletó
Provavelmente com o bolso furado
Saiu de casa
Provavelmente sem guarda-chuva
Chegou no trabalho
Provavelmente atrasado
Cumpriu o expediente
Provavelmente sem vontade
Parou no bar
Provavelmente sozinho
Voltou caminhando
Provavelmente no frio
Tomou banho
Provavelmente chorando
Assistiu TV
Provavelmente sem sorrir
Deitou-se
Provavelmente sem sono
Pensou no seu dia
Provavelmente….irá repeti-lo


Ass: Danilo Mendonça Martinho

Sobre o Cansaço

Quantas vezes respiramos mais fundo e pareceu que seria mais fácil, em um suspiro, simplesmente esquecer? E quantas vezes realmente deixou de apenas parecer? O cansaço eventualmente toma conta, mas desistir não é alívio.
Sonho de vagabundo” (14/05/2018)
Poderia ser mais fácil
E nem digo ser feliz
Passar o dia a esmo
Vontade e nenhum dever
Férias eternas
E nem digo viajar
Um canto de sofá
Uma maratona na tv
Um colo, um amor
Sem esforço, sem migalhas
Somente uma paz
E um silêncio ao pôr do sol
Não ter o que fazer
Sem lugar para me arrastar
Sem esperança de mudar
Ser pleno uma vez


Ass: Danilo Mendonça Martinho

Sobre o fim da linha

Peça ajuda, peça companhia, peça força, peça um abraço. Faça o que for preciso, admita humildemente sua dor. Mas jamais em nenhum momento acredite que acabou, há sempre para onde, há sempre um porquê.
 
Clemência” (08/05/2018)
 
Eu preciso de um alento, um colo, um choro
Qualquer coisa que me leve o embargo do sonho
Que me tire da ideia o presente
Que me dê uma chance na felicidade idealizada
Não peço perfeição, peço urgência
Pois temo que seja tardia a atitude
Temo que não seja sadia a solução
Ajuda-me com uma migalha de certeza
Um raio se sol ou uma gota de chuva
Quebre meu próprio feitiço
Dessa crença que não há saída
 

Ass: Danilo Mendonça Martinho

Sobre o Dever

Acho que todos nós em algum momento da vida olhamos em volta e percebemos que a maior parte das nossas atitudes, a maior parte do nosso tempo, nossos pensamentos e ações, estão todas dedicadas para as coisas que precisamos fazer. Quando tudo vira obrigação a tendência é que aos poucos vamos perdendo o gosto, esmaecendo na paisagem, diluídos na rotina. Mas a vida também é a arte de se reinventar sempre. Ela não precisa muito, são atitudes simples. Variar o caminho até o trabalho, abrir todas as janelas de manhã, ver o que pode encaixar no seu dia a dia para se sentir em paz, se sentir melhor. Olhar para o que faz e ver que está dentro de um todo, enxergar que o agora é pedaço de uma felicidade em construção. Sempre teremos que encarar deveres, mas é completamente diferente quando o fazemos com propósito. Inspire-se!

 

“Burocracias” (07/05/2018) 

Hoje o tempo me alcançou
Tomou as pernas
Pesou nas costas
E acabou no coração

Esse suspiro que não me deixa
Essa hora que não dá trégua
Esse tanto que fica para amanhã
Traduzem o gosto do fracasso

Vontade de fechar os olhos
Mas descansar o corpo
Nem sempre cura a alma
Ela precisa se libertar

Da mesma forma que acaba
O tempo é infinito
Me mata nessa espera
Me exausta nessa luta

Não posso ser apenas esperança
Tenho que ser algo que faça
E mesmo que o tempo me engula
Vai sobrar alguma felicidade

Ass: Danilo Mendonça Martinho