“Devaneio Existencial” (14/05/2019)

A vida é uma jornada. E por mais que a gente tente fincar nossos pés no chão a alma foi feita para voar. Não tem terra, não tem lugar, não tem abraço que impeça. Somos primitivamente livres. Nossa efemeridade é tão real que faz qualquer deslocamento parecer insignificante. Mas é justamente essa a brecha para experimentarmos. Podemos partir, voltar, mudar, fazer, esquecer, amar. Não há consequências cósmicas para nossa vida. Estamos soltos nesse universo com uma passagem só de ida. Se apegar ao tempo é comparar-se ao infinito. Devemos nos aproximar do que tem fim. Todo resto é mutável, do seu emprego ao quadro pendurado na sala. Nada precisa e nem deve permanecer como está. Somos evolução, parte que mesmo sem querer segue em frente. Quanto mais longe olhamos mais imprevisível é o caminho. Reme ao mesmo tempo que aproveita a maré. Não há nada para você aqui, mas há de tudo em todo lugar. Viver é uma ciência a parte e por isso digo para desconsiderar as distâncias, não medir os anos, não calcular a saudade. O rio segue correndo encostando sem ficar e quando dentro dele somos tudo em todo lugar. A vida é uma força que permeia a todos nós, estar é uma breve conclusão que logo se desfaz. Somos, vivemos e levamos para onde quer que for.

 

“Às avessas com o tempo” (06/05/2019)

Ô tempinho que não serve pra nada
Tá sempre em falta
Tem pressa sem ter motivo
Isso quando não parece que nunca vai chegar

Eita tempinho que não leva a lugar algum
Já foi promessa e profecia
Já te viraram de ponta cabeça
E onde você nos deixou?

Ah tempo, vontade de quebrar tua cara
Insiste nesse desencontro
Faz gracinha com esperanças
Depois passa como se nada tivesse acontecido

Tempo você me cansa!
De todas voltas que você já deu
Nunca um amanhã demorou tanto
Nunca vi vida nesse breu

 

“Incoerente Verdade”(02/05/2019)

Eu agradeço as palavras
O olhar glorioso do passado
A admiração necessária do caminho
Bons amigos não nego
Então perdoem a falta de bom senso
Das lágrimas que enchem o peito
Da vontade enterrada no sofá
Não é por prazer
Que me visto de dor
Preciso aprender a saída
Respirar aqui debaixo
Descobrir propósito
Amenidades não ajudarão
Sonhos serão ilusão
O tempo vai se calar

É onde devo encontrar sentido

 

“Conversa Séria” (29/04/2019)

Vem cá tristeza
Vem cá sufoco
Vem cá peso
O que estão fazendo aqui?
Quais são seus nomes?
Quem tem que partir,
Eu ou vocês?

Eu queria entender
Sentir de uma vez
Chorar tudo que preciso
Tudo parece melhor que isso
Esse é meu pior momento
É essa a verdade

Poupe-me os eufemismos
Não quero saber de esperanças
Nem brinque com promessas
Somos só nós aqui
Não meçam as palavras
Venham com toda sinceridade

Máscaras eventualmente sufocam
Somos o que sentimos
Não vou falar de luz no fim do túnel
Quero falar sobre atravessá-lo
Sobre toda aspereza e escuridão
Chega de maquiar a vida
Fugir nunca foi opção

 

“Receita” (22/04/2019)

Talvez seja medo
Talvez seja saudade
Este meio que não é
Esse futuro que vem tarde

É a falta dos amigos
A desavença com as palavras
Muito desejo sem rumo
Esperanças perdidas na ansiedade

É cedo para respostas
Para determinar um fim
Há tempo enquanto houver vida
É preciso caminhar ainda

Pois bem, coragem e calma
Paz e determinação
Liberdade e sonho
Felicidade e amor

 

“Caminhar” (18/03/2019)

Sem querer
Virei um deles
Preso neste agora
Fazendo disso meu todo

Eu tinha planos
Desenhei uma vida inteira
Precisava de tempo e espaço
Sabia esperar

Só que não
O discurso disfarçou
A alma não deixou de sentir
Fui mais desespero que paciência

Lembro
O quanto queria amar
O quanto queria que fosse logo
Me decepcionava todos os dias

Hoje completo
Meu imediatismo mudou o foco
Quero para ontem minha realização
E mergulho em fracassos sucessivos

Eu não sei
Se é medo do tempo
Se é a preguiça do caminho
Se é só vontade de ser feliz

Penso que é tudo
Só quando for livre
Respeitar o momento do sonho
Deixar o futuro chegar
Encontrarei paz

Como evitar pensar?
Como não sentir o gosto?
Como deixar de lado?

Este é o aprendizado
O cotidiano até ensina
Mas se encarar e conhecer
É o verdadeiro passo em frente

 

“Tudo a seu tempo” (14/03/2019)

 

Nunca pensei que uma frase que usava quando criança, algumas vezes de brincadeira, outras como justificativa para apaziguar minha mãe diante uma tarefa não cumprida, poderia ser tão fundamental na minha vida aos 30. Até mesmo nas aulas de violão sigo acelerando o ritmo, saindo do compasso. Sinais de uma pressa pela qual o sonho não se interessa e continua a se esquivar. Paciência, palavra que demora até para escrever, que arrasta pela folha, que já dá formigamento nos pés, mas que principalmente tira o peso, diz que está tudo bem para aqueles que querem escutar. Como é difícil passar o dia sem a sensação do ócio, de horas perdidas, de falhar. Como é difícil notar que nossas expectativas, são só nossas, e não há ninguém esperando, cobrando, querendo mais. Que vários minutos no sofá, que o almoço que acabamos pedindo fora, que a poesia que ficou incompleta, não são de forma alguma o fim do mundo. A vida em sua divisão mais simples que podemos chegar foi feita para respirar. Então o faça, pegue o máximo e ar que puder e…………………solte. Sinta, sem pressa, teu corpo, teus pés no chão, as batidas do seu coração. Sinta a vida fluindo por você e ao seu redor, ouça a natureza, mesmo você que mora na cidade. Aproveite esse momento sublime para se distanciar até mesmo dos teus sonhos. Viver é livre. Abrace, envolva, seja. Quando voltar a abrir os olhos lembre de levar essa cadência. Deixe o tempo ser, e se preocupe em ser você.