“Imensidão”

Quando falo de alma
Quando falo de vida
Quando falo de amor
Quando falo de força
Quando falo de vazio
Quando falo de futuro
Quando falo de silêncio
Quando falo de paz
Quando falo de sinceridade
Quando falo de abraços
Quando falo de importância
Quando falo de perspectiva
Quando falo de compreensão
Quando falo de responsabilidade
Quando falo de compromisso
Quando falo da verdade
Quando falo do caminho
Eis a natureza
Eis o nosso tamanho
Eis a existência
E toda imensidão

“Memórias improváveis”

O passado veio falar do que não fiz
Veio atiçar as possibilidades
Criar novos enredos e destinos
Fez sentir outros sabores

O passado precisa aprender o que lhe cabe
Entender que sua história está contada
Que a chance não faz parte
E este gosto doce é apenas ilusão

Sem dúvida que seria melhor
Pelo que ele mesmo me ensinou
O passado precisa enxergar que se basta
Se ele mudar, quem serei eu?

“Sobre novos anos” 30/12/2019

Não é sobre esquecer o passado, tentar transformá-lo, brigar, deixar para trás. É sobre deixar cada coisa eu seu lugar. O passado tem o espaço dele, ele fala, ele ensina, ele mostra, só não muda. Temos que aceitar quem ele é, e não carregá-lo para onde não pertence. O passado é poderoso. Ele guarda tudo que nos tornamos, todas as coisas boas, as conquistas, o sorriso. Ele também guarda as coisas que aprendemos que não queremos ser, aquilo que queremos melhorar em nós. É um eterno guia, um manual em construção do que a vida nos ensina. Mas como qualquer livro ou palavra de poeta, ele só instiga e mais nada pode fazer. Agir sempre estará neste agora, nas nossas mãos. Cada coisa em seu lugar. O passado está conosco, o futuro é um norte, e o presente é hoje….e hoje….é sempre ano novo.

“Devaneio Existencial” (14/05/2019)

A vida é uma jornada. E por mais que a gente tente fincar nossos pés no chão a alma foi feita para voar. Não tem terra, não tem lugar, não tem abraço que impeça. Somos primitivamente livres. Nossa efemeridade é tão real que faz qualquer deslocamento parecer insignificante. Mas é justamente essa a brecha para experimentarmos. Podemos partir, voltar, mudar, fazer, esquecer, amar. Não há consequências cósmicas para nossa vida. Estamos soltos nesse universo com uma passagem só de ida. Se apegar ao tempo é comparar-se ao infinito. Devemos nos aproximar do que tem fim. Todo resto é mutável, do seu emprego ao quadro pendurado na sala. Nada precisa e nem deve permanecer como está. Somos evolução, parte que mesmo sem querer segue em frente. Quanto mais longe olhamos mais imprevisível é o caminho. Reme ao mesmo tempo que aproveita a maré. Não há nada para você aqui, mas há de tudo em todo lugar. Viver é uma ciência a parte e por isso digo para desconsiderar as distâncias, não medir os anos, não calcular a saudade. O rio segue correndo encostando sem ficar e quando dentro dele somos tudo em todo lugar. A vida é uma força que permeia a todos nós, estar é uma breve conclusão que logo se desfaz. Somos, vivemos e levamos para onde quer que for.

 

“Às avessas com o tempo” (06/05/2019)

Ô tempinho que não serve pra nada
Tá sempre em falta
Tem pressa sem ter motivo
Isso quando não parece que nunca vai chegar

Eita tempinho que não leva a lugar algum
Já foi promessa e profecia
Já te viraram de ponta cabeça
E onde você nos deixou?

Ah tempo, vontade de quebrar tua cara
Insiste nesse desencontro
Faz gracinha com esperanças
Depois passa como se nada tivesse acontecido

Tempo você me cansa!
De todas voltas que você já deu
Nunca um amanhã demorou tanto
Nunca vi vida nesse breu

 

“Incoerente Verdade”(02/05/2019)

Eu agradeço as palavras
O olhar glorioso do passado
A admiração necessária do caminho
Bons amigos não nego
Então perdoem a falta de bom senso
Das lágrimas que enchem o peito
Da vontade enterrada no sofá
Não é por prazer
Que me visto de dor
Preciso aprender a saída
Respirar aqui debaixo
Descobrir propósito
Amenidades não ajudarão
Sonhos serão ilusão
O tempo vai se calar

É onde devo encontrar sentido