"A calada da noite consente" (07/04/2018)

Quando o povo gritou fora
Moveram-se os céus e montanhas
Quando o povo gritou fora de novo
Ficou no vácuo da ilusão
Dois lados e a mesma decepção

Tuas palavras são apenas fantoches
Convenientes ao poder de poucos
Inúteis a necessidade de muitos
Aqui somos milhões,
mas lá são milhões no bolso

Esse discurso de rancor e menosprezo
Só serve para perfil de rede social
Para ser cidadão precisa de mais zelo
Tomar conta do distrito federal

A língua afiada só serve aos outros
Que separam o que podia ser um só
Temos essa fraqueza em comum
Ceder ao ódio e não a compaixão

Quando o povo voltou a gritar
A decisão já tinha sido tomada
O que era pra ser um país melhor
Passou a ser tarde demais

Ass: Danilo Mendonça Martinho

"O cheiro" (16/05/2017)

Sabe o cheiro que mais incomoda no mundo?
Cheiro de gente
E não estou falando do suor do trabalho
Nem do marido que chega da pelada de final de semana
Estou falando de quem dorme na rua
Que raramente toma banho ou troca de roupa
Que por circunstâncias que desconhecemos
Mas adoramos julgar
Se encontram na margem da sociedade

Você sabe o que fazemos quando sentimos esse cheiro?
Nós fechamos os olhos
Nós viramos a cara em desgosto
E ao fazê-lo você sabe o que acontece?
Nós deixamos de enxergar a humanidade
Quase perdida no olhar do outro
E ao negar nosso olhar
Negamos talvez a última coisa que ainda o fazia se sentir gente

Muitos são loucos, bêbados, doentes, desempregados
Mas quantos de nós sentimos o desespero?
Quantos de nós estivemos na beira do completo desequilíbrio?
Quantos de nós não fomos ajudados pela família e amigos?
E se no próximo minuto você se encontrasse sem nada
Ao que você se entregaria?

Quem sabe seja inocência os 50 centavos que levo no bolso
Quem sabe seja um simples alívio de consciência
Quem sabe seja hipócrita , pouco, ridículo, inútil
Mas como pessoas viram corpos estranhos na nossa rotina?
Quando estendo a mão talvez tire alguém do ostracismo
E um talvez é melhor que um nada
É melhor do que a verdade impregnada na nossa pele

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Se tudo passa” (24/03/2017)

Por que entre todas as coisas que poderíamos usar de referência nessa vida fomos escolher logo o tempo? Uma coisa que contamos sem saber o fim e com medo que acabe. Algo que te persegue pelos dias e noites, que te empurra ladeira abaixo, controla nossos passos, nossos afazeres, exige presença, dispensa motivos. Mas se você colocar reparo no relógio ele continua numa calma sorrateira. Se acompanhar pelo Sol então as sombras se mexem aos milímetros. Pode demorar até mais de hora para percebemos a mudança. O fato é que ele não se importa com nossa urgência, não entra na nossa pilha, ele apenas passa como parte da paisagem, fiel a sua natureza.
A pressa está em nós, plantada em nosso âmago desde pequenos. Cada dia mais cercados. Na parede, no pulso, na TV, no celular, na rua. Sempre temos um tempo, nunca estamos em tempo e ficamos a espera de um tempo que possa parar. Somos inventores da maior parte de nossas mazelas. Agarrados a tudo que nos aflige, reféns de nossos medos, conformados com nossa rotina. Mas que grande tolice foi começar a contar o tempo. Do que importa a duração das coisas se pudermos vivê-las com alguma alegria?

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Improbabilidade” (16/01/2017)

Logo nós que estávamos tão certos
Logo nós de convicções e sonhos
Logo nós que encontramos a felicidade
Logo nós que sempre soubemos a vocação
Logo nós que tínhamos um plano
Logo nós que teríamos dinheiro
Logo nós que tínhamos prestígio
Logo nós de estudos e teses
Logo nós cansados das mesmices
Logo nós revolucionários da arte
Logo nós que temos tantas opiniões
Logo nós tão diferentes dos nossos pais
Logo nós de família estável
Logo nós de amigos fartos
Logo nós cheios de elogios
Logo nós cercados de boa vontade
Logo nós formados com louvor
Logo nós casados e com amor
Logo nós bem alimentados
Logo nós que lemos tantos livros
Logo nós que temos casa e carro
Logo nós viajados pelo mundo
Logo nós com casa no interior
Logo nós que visitamos museus
Logo nós que vemos teatro
Logo nós apreciadores da “boa música”
Logo nós conhecedores da história
Logo nós com tanta cultura
Logo nós amigos do ambiente
Logo nós cidadãos conscientes
Logo nós cheios de fé
Logo nós senhores do nosso destino
Logo nós bem vestidos
Logo nós pagadores de impostos
Logo nós voluntários
Logo nós trabalhadores
Logo nós de sanidade plena
Logo nós que damos risada
Logo nós que achamos a felicidade
Logo nós que somos sensíveis
Logo nós que damos abraços
Logo nós que escutamos
Logo nós capazes de entender
Logo nós que vemos TV
Logo nós que lemos jornais
Logo nós que sabemos inglês
Logo nós que usamos plural
Logo nós com varanda gourmet
Logo nós que sabemos a verdade
Logo nós jogadores da loteria
Logo nós céticos e convencionais
Logo nós defensores das liberdades
Logo nós evoluídos e progressistas
Logo nós que tomamos um bom café da manhã
Logo nós visionários de um mundo melhor
Logo nós tão bem preparados
Logo nós que acreditamos na vida
Logo nós que fizemos trinta anos
Sem saber quem somos, para onde ir e o que fazer
Logo nós….

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Trocado” (29/06/2016)

Moeda no bolso não faz ninguém solidário
Não tem valor que compra coração
Geralmente é na falta do tostão que se divide o pão
A distância é gigantesca do que sobra, do que nada tem
É preciso ímpeto, vontade, oportunidade
Mas acima de tudo é preciso despretensão
Pois o que carregamos no bolso não é para troca
Doar a alma é o único jeito de mover outra vida

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Anti-Spam”(13/06/2016)

Não sou um robô
O que mais o clicar de um botão define?
Sei diferenciar pizzas e montanhas
Isso me faz mais humano?

Há muito mais que não sou
Mas a internet dá voz sem atenção
Cabe-me responder o desnecessário
Na desconstrução eletrônica do ser

O humano sempre foi wireless
O raciocínio é de enganar sentimentos
A palavra é a ilusão de multidões
O sublime é programar o que poderia ser livre

Ass: Danilo Mendonça Martinho