“Endereço” (07/08/2012)

As paredes são de abraços
As janelas de memórias
Os armários guardam amores
Debaixo do travesseiro escondo desejos
Na cama deita a paz
A felicidade deita ao lado

O meu lar caminha junto
Basta fechar meus olhos
E me aconchego na melhor poltrona
Diante um horizonte improvável
Tudo se torna possível
Quando a vida passa por dentro

Peguei pedaços do caminho
Desenharei um imaginário
Erguido de palavras amigas
Coberto de sonhos
Quem sabe para onde voltar
Pode ir onde quiser

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Clemência” (10/07/2012)

Deitou-se à sombra da palavra
Silenciado pela noite precoce
Um corpo saciado pela vontade
De alma vendida a ilusão

Era fácil confundir as fuças
Como mentiras e verdades
Repetiu-se como mantra a injúria
Terminou como reza a lamentação

Foi o último respiro de esperança
Calado ao pé da macieira
Pecando em troca de vida
O poeta e a rima

Desistiu pela primeira vez
Caia a última máscara
Sem verso para vestir a realidade
Apagou-se também o horizonte

A noite dormirá em paz
Mas para onde irão os desejos?
O mundo acordará em breve
Sem um único suspiro de amor

Durma de olhos abertos
Rasgue seus últimos escritos
Pinte mais um romance
Para que a lembrança nos leve em frente

Ass: Danilo Mendonça Martinho