“Portos e Tempestades” (22/06/2012)

Despencam os raios sobre a vida
Tudo parece tão longe
Nosso passado se mistura na chuva
É sentir sem lembrar
Eu sei o quanto doeu
Só não sei descrever seu lugar

Certas coisas viram paisagem
Presas numa parede inerte
O mundo agora só passa
Desde quando ancoramos nossos pés
Hoje a maré só traz
Aprendeu o caminho de casa

Não voltarei a navegar sozinho
O norte será nosso
Enfrentaremos o futuro revolto
Descobriremos outras felicidades
Abraçaremos o amanhã incerto
Faremos do coração morada da alma
Não voltarei a soltar tua mão

Ass: Danilo Mendonça Martinho

4 comentários em ““Portos e Tempestades” (22/06/2012)

  1. A chuva dissolveu a minha poesia. Afoguei-me nas palavras. Perdi o rumo e o prumo da minha história. Jamais encontrei a mão dela. Morri agarrado, não a minha jangada, mas ao meu medo de ser feliz.

    Curtir

  2. Gosto de passar por aqui. Leio, em silêncio.Não tenho visitado tantos blogs, quase nenhum, na verdade… Mas, é fato que esta postagem me chamou atenção. Pelo título. As tempestades…E mais um texto entre os melhores. Não sei descrever o quão profundo isso foi. Em mim.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s