Para vocês sempre saberem que os amo (12/03/2019)

Vai ser um mundo de saudades
Essa terra tem muito canto
Para um coração só

Não consigo encher os olhos de lágrimas
Tenho confiança plena na felicidade
O começo de uma paz

Não falta um centímetro de amor
Aprendi a fazer por você o que fez por mim
Entrega sem pensar em si

Quando a gente olha para trás
É só para certificar o que é de cada um
E o que você deixou em mim já é muito

No fim o que é a distância
Se não uma medida para quem esquece
Não deixaremos de ser esse abraço

Voa como tantos já voaram
Se permita antes que seja tarde
E deixa que eu cuido da saudade

 

Uma mensagem de áudio

Gravo no meio de uma loucura
Dirijo em uma tempestade intensa
Mas o que me preocupa mais inunda aqui dentro
Eu sabia o caminho dessa estrada quando tudo começou
Mas quando o norte é o coração
O horizonte pode se perder muito rápido
Eu vivi meus melhores dias intensamente
Sem a consciência para aproveitá-los plenamente
Eu amei, sofri, eu aprendi
Mas como essa chuva que me pegou no meio da tarde
Ancorei toda minha vida
Uma decepção, um fracasso, uma palavra
Fiz do meu inconsciente um armário de mágoas
Está na hora de tudo isso acabar
Se a imaginação é livre por que prendê-la no passado?
Sempre tive sonhos tão lindos
Porque abandoná-los agora?
A questão nem é realizá-los
Mas se imaginar melhor, possível, feliz
Tudo começa nessas crenças involuntárias
Depositadas no fundo de nosso âmago
Na parte escondida de nossas mentes
Eu vou limpar as prateleiras
Com raiva, com ódio, com choro
Aqui nesse coração vou guardar o que é bom
E vou imaginar aquilo que é melhor ainda
Vou perder horas olhando pro infinito
Mas um que vai valer a pena se admirar

Então você me diga que tudo e impossível
Que você me conte que não há segredo
Que você me revele que não há saída
Não fará diferença o final
Sabendo viver a vida

 

“Calar” (22/02/2019)

A palavra cobra compromisso
Começa a rasgar a razão
Mas o que sinto não é simples

O lamento diminuiu
Mas a dúvida permanece
Como um velho disco riscado

Não é abandono, é chance
Eu que não sei do quê
Arrasto desolações

Vida não tem volta
Tem memória que dói como agora
Perspectiva de um cansaço

Controle é a fala
Audacioso considerando o inconsciente
Impossível é uma barreira mental

O sono vence
Eu entrego desejos
A madrugada é silêncio, não palavra

“Entorno de alma”

Meu sonho é dizer adeus, mas como ser livre?
O peso dos dias me faz pedir aos céus o que nunca precisei que fizessem por mim
Tudo que passa é tempo, ou pode ser vazio?
É alguma lição ou para testar o limite?
Não espero respostas apenas saídas
Estou agindo dentro da inércia
Quem sabe a ilusão do movimento faça a vida caminhar
A verdade é que minha alma precisa de provas
Falta a coragem de abandonar o que é seguro
Falta a vontade para aguentar o que pode dar certo
Guardo as forças pelo que ainda acredito
Será que caibo dentro da fé?

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Ensaio sobre incerteza” (17/08/2015)

A liberdade é algo perdido dentro do ser humano. Estamos presos não a nossa vontade, a nossa consciência, mas ao julgamento dos outros. E quando não há quem nos julgue, olhamos para o céu a procura de um sinal que aprove nossa decisão. Cada pedaço do que fazemos transformado em condenação ou absolvição. Nada pode simplesmente ser. Aos nossos queridos tentamos nos justificar. Contamos nossos meandros, medos, caminhos, conclusões. Ouvimos todo conforto que uma palavra pode ceder, e ainda assim não é o bastante. Precisamos perdoar a alma. Rezo, todo santo dia, como rezo com força, com sono, distraído, em silêncio…..agradeço para não ser mal educado, peço quando na verdade espero que “ele” possa assumir a responsabilidade da minha decisão. Que possa dizer o que está certo ou errado e me evitar o trabalho de tentar por meus sonhos em prática. Que então me indique a direção para que assim me acabem as desculpas de não viver por não saber para onde ir. Posso não saber até onde vai sua fé, mas hoje, mais do que qualquer outro dia, percebi o quanto ela pode ser vazia se não começar em você mesmo.
O fazer é humano, e suas consequências estão longe de serem prêmios ou castigos. São apenas rumos que a vida toma. É fácil esconder nossas vontades por trás de outras, divinas ou não. Justificar nossa inércia como efeito, quando na verdade é causa. Saber quais serão todos desdobramentos de suas atitudes e após fazê-lo enxergar o depois como uma justiça natural da vida. Bobagem! Somos livres! Eu acredito em forças naturais que nos protegem, nos guiam, as vezes ensinam. Mas o que procuro para apaziguar minha alma e dizer que esta é a melhor solução, simplesmente não existe. A escolha é livre e existe dentro de nós, esquecida, esta mesma liberdade. Não há explicação para o que fazemos se não a nossa vontade. Da mesma forma não há como esperar uma permissão para realizar teu sonho. Não tem certo, errado, muito menos um julgamento diário dos seus gestos e pensamentos. Temos apenas um coração como termômetro dizendo o que lhe agrada, e uma fundamental liberdade que se começarmos a colocá-la em prática em favor dos nossos sonhos, eu consigo imaginar vidas incríveis. Não precisamos de autorização para nada, mas precisamos ter responsabilidade com tudo. Até entendo que o meio disso tudo seja confuso, mas a saída é única. Escolha, a vida é sua caso precise voltar atrás, mas não deixe de escolher.

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Vigília” (03/06/2015)

Fecho meus olhos e rezo
Talvez medo do fardo
Fé no que se é capaz

Rezo por último recurso
Pois já não sei carregar o corpo
E muito menos completar a alma

É mais humano confiar no outro
Isentar-se da escolha
Esperar a resposta

Mas não o faço por pilhéria
É apenas puro desencontro
Pois não sei onde enterrei a vontade

Sonho em intensidades sem razão
O quão estou distante de mim?
Qual verdade transformei em ilusão?

Rezo ciente do abandono
Deixo a esperança de minha causa
Para encontrar paz em algum outro lugar

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Por trás da alma” (28/04/2015)

Há um solitário dentro de nós. Não sorri, não decide. Um silêncio preenchido de palavras. Verdades escondidas. Quem é que te amedronta mais do que o que pensam de você. Só há uma pessoa que sabe até onde é real e a ignoramos com toda força. Viver em meio de tantos sem trazer nada para si é uma viagem tranquila, não se compra brigas nem problemas, não se faz amizade nem amor. Seguir é extremamente fácil quando não há nada que te importe abrir mão. O resto do dia longe dos espelhos dos olhos que te despem se torna um grande palco. Somos a sociedade do parecer, satisfeitos em ouvir o que queríamos. O quanto te corrói fazer o que não é? Tuas olheiras, tua constante aflição, o medo de que tudo volte a desmoronar. Teu pessimismo é uma cicatriz no rosto, incapaz de esquecer. Enquanto isso, no íntimo de nós, permanece sozinho, sincero e livre, a parte de nós que por algum motivo preferimos esquecer.

Ass: Danilo Mendonça Martinho