“Regresso”

Essa é a última folha em branco de um caderno há muito tempo fechado. Talvez represente bem os inúmeros sentimentos esquecidos. Os minutos que agora me perseguem tiram o tempo daquilo que já falta espaço. Há uma parte de mim que não pode existir? A palavra não me deixou o coração partido, não me abandonou, nem mesmo no silêncio. Mudou de assunto, iludiu, rezou, cantou e fez de tudo para seguir presente, para que quando o momento chegasse de resgatar, de preencher as lacunas de um depois, ela soubesse ainda o que dizer, ela tivesse ainda uma voz. Sinto vontade de chorar toda vez que libero o peso do meu peito. Até a alma é de aparências. Não há fuga mais inútil, nem atitude mais incoerente do que relevarmos o que realmente somos. Do tempo que perco nada me deixou mais perdido do que a falta desse papel, de não saber mais o que escrevi, de deixar tantos textos, tantas inspirações pela metade. Fiquei aos pedaços, fiquei pelo caminho. Minha esperança é essa página no fim de um caderno finalmente terminado. Que ela possa unir os cacos e indicar um futuro. Sei que a palavra não morre, mas conheço a falta de ar de viver sem ela. Esses meus olhos fechados e esse suspiro profundo é a paz de te sentir novamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s