Não custava

No meio do vagão o vendedor sem mercadoria tinha apenas sua sinceridade. Despido de promessas só lhe restava a realidade. A verdade é que são muitas realidades e entrar na do outro parece, cada vez mais, uma distância intransponível. Não sei se o silêncio, se os olhares que o evitavam, faziam por costume, com remorso, com raiva ou desprezo. As pessoas pareciam tão longe que era difícil identificar qualquer sentimento e talvez por isso, pela indiferença, tenha doído ainda mais. O vendedor saiu do script e já não pedia ajuda, só queria que alguém lhe visse, que alguém ao menos o fizesse sentir que fazia parte. Deixou o vagão mais surrado que entrou, talvez a fiscalização que lhe tirou as 6 caixas de chocolate tenha sido mais gentil do que aqueles que lhe tiraram a humanidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s