“Calado” (21/11/2010)

Não me atreveria
Repetir tais pesares
Não passariam a garganta
Arranharia minha alma

Reservo meu silêncio
Garantindo esta inércia
Construindo um vazio
Abandonando a verdade

Preservo a muralha
Fronteiras do que sei
Sentimento que vou omitir

Conhecerei a dor da partida
Assistirei nascer a solidão
Quem sabe…conseguir esquecer

Ass: Danilo Mendonça Martinho

6 comentários em ““Calado” (21/11/2010)

  1. Danilo,silencio só se for no nome do meu blog…..rsrsCalar-se nem sempre faz bem…colocar pra fora o que sentimos é bem melhor…..(olha quem esta falando)…rs….justo eu que vivo guardando pra mim o que sinto.(ironia)Danilo um beijo …

    Curtir

  2. Não me atreveriaRepetir tais pesaresNão passariam a gargantaArranharia minha alma.A tinta onde molha tua pena é transparente e translúcida de sua sensibilidade. Por isto tortura e eterniza seus pesares no encantamento de seus poemas.Bem feito para o que te doeu! : )

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s