“O primeiro eu” (12/03/2012)

Juro que foi aqui
Entre essas mesmas grades
Enxerguei a vida
Respirava um ar de chuva
Sonhos suspiravam no asfalto
E ao céu rogava minhas aflições
Abracei inúmeros silêncios
Havia alguma paz na imensidão
Ali ancorei-me
Coisas que jamais me deixaram
Não eram verdades imutáveis
Não eram princípios conservados
Foram caminhos que escolhi
Destinos que voltei a mudar
Partindo dos sinais daquelas noites
Adiando o fechar da janela

Aquele parapeito não é tão longe daqui
Não penso que sobrevivi
Apenas me criei

Ass: Danilo Mendonça Martinho

6 comentários em ““O primeiro eu” (12/03/2012)

  1. Não sei se sou eu que estou num momento pessoal “de cortar os pulsos” e enxergo o tema “suicídio” em tudo que leio, ou realmente se trata disso.De qualquer forma, me identifiquei com a poesia… temos que seguir em frente, continuar a viver! A ideia é essa 😉

    Curtir

  2. Sim, é preciso nos criar, o tempo todo, ser novo, numa metamorfose constante para que os sonhos desabrochem sempre no canteiro do nosso ser.Procurar novos recursos, explorar o que o mundo nos oferece de mais belo e engrandecedor, pessoas verdadeiras, boas leituras, bons cinemas, bons teatros, boas músicas, boas viagens, idealizar bons projetos, concretizá-los e realizá-los.É assim que podemos enxergar a vida sem grades.bjos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s