“Sobre o amor” (17/11/2013)

Não é preciso pedir a ninguém para falar sobre o amor. Ele é um imaginário coletivo, um silêncio, uma reza de todos olhares. O corpo que hesita e espera a vez do próximo, o abraço que dura aquele segundo a mais, o sorriso da piada alheia na rua, a empatia quando se vê um segurar de mão. Os amigos a bater e gritar na mesa, as festas de fundo de quintal. O beijo de pai, de irmão, de mãe, de namorados, de casados, ou simplesmente de felizes. O grito da torcida, o choro no final do filme. O degradê do Sol, o balanço das árvores, o tilintar da chuva, a imensidão do céu azul. E cada vez que olho pela janela de casa poderia identificar mais inúmeras formas de amor.
A tristeza traz suas lágrimas, a saudade seus suspiros, a felicidade sua plenitude…já o amor não precisa nem de palavra, vive de qualquer silêncio até qualquer infinito. Ninguém fala sobre o amor, a gente sente e ele vive.

Ass: Danilo Mendonça Martinho

3 comentários em ““Sobre o amor” (17/11/2013)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s