“Auto condenação” (19/07/2012)

O horizonte se fecha
O vento espalha o frio
O galho seco se quebra
Nada vale o meu lamento

As paredes me cercam
A cama me recolhe
A vida me esquece
Foram minhas escolhas

Sou pedaço arrancado
Sou carta fora do baralho
Sou alma sem lar
Meus amores derreteram

O que criei no espelho?
O que reflete lá fora?
O que sobrará da ideia do “eu”?
Respiro no auge da exaustão

Arranco suas raízes
Despejo seus versos
Dispo-me dos quereres
Pedindo para que me salvem

Se me resta ser culpado
Que o dia gentil me arraste
Farei meu apelo no amanhã
A última instância da esperança


Ass: Danilo Mendonça Martinho

6 comentários em ““Auto condenação” (19/07/2012)

  1. O destino e refletido de nossas escolhas. Não carece da desistência de si mesmo, só apenas se decidir ser desiludido de uma vida inteira.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s