“Você sabe” (01/02/2018)

Talvez eu tenha que contar o tempo
Talvez já execute o que não quero
Talvez seja medo ou responsabilidade
Talvez tenha deixado passar
Talvez tenha me deixado levar
Talvez sejam amarras ou inseguranças
Talvez seja apego ao passado
Talvez seja incapacidade de crescer
Talvez seja auto-sabotagem
Talvez seja satisfação na ilusão
Talvez falte fé no sonho
Talvez falte em si mesmo
Talvez eu esqueci como cheguei
Talvez eu apenas me perdi
Talvez tenha perdido a vontade

Há sempre uma desculpa
Há sempre uma palavra
Só fica no talvez quem se cala

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Queda Livre” (18/01/2018)

No disfarce da chuva
A voz não poupou ninguém
Entregue ao ódio
Mergulhada na inércia
A razão que se perdia
Era a mesma que justificava
A emoção não esconde a alma
A raiva cega aguçava os sentidos
Acabava ali naquele instante
A mente despedaçada em dúvida

A gota que toca a pele
Escorre a lágrima, penetra na alma
A gota que é prisma
Ilumina o caminho, clareia a escolha
A gota no meio da tempestade
Sem tréguas e nada além da verdade
A gota que chega ao chão sabe
Que é a última vez

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Procurado” (15/01/2018)

Vou pegar de assalto uma poesia
Roubar um coração
Levar o verso que deixaram cair
Decifrar o segredo do sorriso
Hackear uma alma
Encurralar o sonho
Sequestrar a esperança
Comandar a horda de sentimentos bandidos

Não vamos deixar dormir
A sanidade será questionável
Serei conhecido até a razão
Criador de ilusões
Ladrão de romances

Na posse de todas as rimas
O amor não vai ter volta
A palavra não terá perdão

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Passageiro” (13/11/2017)

Tempo, para quê me dividir assim?
Nesse pedaço sem sonho
Nessa rotina sem avanço
Repartindo as horas sem sobras
Sempre eu que fico para trás

Tempo, para quê me separar?
Das conquistas e ambições
Me largou no meio sem vida
Longe é perto demais
A solidão desta multidão
Cheia de certezas para minha indecisão

Tempo, você é só castigo?
Louça e conta pra pagar
Trabalho e ônibus lotado
Ou você tá escondendo o depois
Nesse sorriso de olhos fechados

Tempo, passa e fica
Diz que não falta muito
Promete que é para sempre
Me deixa um momento para esquecer
E uma vida para lembrar

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“(H)êxito” (10/11/2017)

É difícil não ser cético
Pois a fé é muda
E no silêncio vem a dúvida
Hemorragia interna do sonho
Paradoxo de acreditar
Ou esquecer para acontecer
Perseverar……

Calada a noite
Ensurdecem as verdades
No ponto final da esperança
Na inércia da vontade
Na crua realidade
Vencido debaixo do lençol
Insistir……

O espelho desconstrói
As palavras envenenam
Mas chorar é puro
A memória não mente
O abraço não falta
Fortalecer…..

No colo ausente
Na cama fria
Há espaço e tempo
Recomeçar é melhorar
Não há motivos para desistir
Antes do coração mandar
Amar…..

Ass: Danilo Mendonça Martinho

“Crônico” (30/10/2017)

Me embrulha o estômago
Talvez sejam pedras no rim
Ou tumor na garganta

A palavra não sai
A vida está no meio do caminho
Entupindo as veias dentro de mim

Não há cura para indecisão
A escolha é curativo
Quantas gotas até a alma?

Falaram que o amargo é angústia
Todo resto vem da solidão
Passo mal como passa o tempo

A surdez é seletiva
Só ouve crítica
Distorce a visão

Até dói, mas é indiferença
Músculos voluntariamente parados
Inspira esperança, exala espera

Sentimento é sintoma
E o que ninguém quer aceitar
A vida é crônica

Ass: Danilo Mendonça Martinho

"O cheiro" (16/05/2017)

Sabe o cheiro que mais incomoda no mundo?
Cheiro de gente
E não estou falando do suor do trabalho
Nem do marido que chega da pelada de final de semana
Estou falando de quem dorme na rua
Que raramente toma banho ou troca de roupa
Que por circunstâncias que desconhecemos
Mas adoramos julgar
Se encontram na margem da sociedade

Você sabe o que fazemos quando sentimos esse cheiro?
Nós fechamos os olhos
Nós viramos a cara em desgosto
E ao fazê-lo você sabe o que acontece?
Nós deixamos de enxergar a humanidade
Quase perdida no olhar do outro
E ao negar nosso olhar
Negamos talvez a última coisa que ainda o fazia se sentir gente

Muitos são loucos, bêbados, doentes, desempregados
Mas quantos de nós sentimos o desespero?
Quantos de nós estivemos na beira do completo desequilíbrio?
Quantos de nós não fomos ajudados pela família e amigos?
E se no próximo minuto você se encontrasse sem nada
Ao que você se entregaria?

Quem sabe seja inocência os 50 centavos que levo no bolso
Quem sabe seja um simples alívio de consciência
Quem sabe seja hipócrita , pouco, ridículo, inútil
Mas como pessoas viram corpos estranhos na nossa rotina?
Quando estendo a mão talvez tire alguém do ostracismo
E um talvez é melhor que um nada
É melhor do que a verdade impregnada na nossa pele

Ass: Danilo Mendonça Martinho