Mente, corpo e espírito – “Sobre a indiferença”

IMG_0454

Sempre pensei que a indiferença afastava de nós aquilo que não merecia atenção, tirava da nossa cabeça quem só nos fazia mal, trazia paz a uma alma perturbada pelo seu redor. Só que há um detalhe sobre sentimentos, eles não existem em um campo imaginário, eles não são produzidos em laboratório, nem podem ser guardados com segurança no freezer; O sentir ocorre dentro de nós. Quando sentimos rancor o maior problema é que no fim somos nós que temos que carregá-lo, da mesma forma acontece com a indiferença. Por mais que a proposta seja fazer de algo teu passado, algo para ser esquecido, é você que tem que lidar com essa indiferença, você que tem que aplicar ela, algumas vezes diariamente. O esforço, a memória, a verdade….é tudo seu. O outro talvez nem se afete, nem perceba, talvez passe distante e ignorante de todo seu plano. O que talvez te incomode mais ainda.

Eu tenho uma outra proposta para lidar com seus desafetos, com tudo nesta vida que você quer deixar para trás. Se chama paz. Odiamos, cansamos; temos asco, dor; queremos fugir, queremos destruir, e tantas outras coisas que nos ancoram aquilo que já não faz mais sentido para nossa vida. Algumas vezes parece que existe tanto a dizer, queremos que saibam nos mínimos detalhes como nos sentimos, o que fizeram com o nosso coração, com os nossos sonhos. Queremos gritar até que alguém note a sua perversidade. No fim é só um grande desabafo no vazio. Olhe nos olhos, encare o que sente, encontre em si a força necessária para abrir mão, para entender o outro, para aceitar o que a vida lhe trouxe, fazer as pazes com o que simplesmente não pode dar certo. Não adianta ignorar ou se deixar consumir pelos seus conflitos, é preciso olhar de fora, compreender o problema em sua raiz e então seguir. Paz, é o que sua alma precisa para ser livre.

Fato Cotidiano – “Nunca vi”

Disseram na minha cara e as palavras me fizeram morada. Minha alma como em um ataque a um corpo estranho se afastou daquela, que há muito tempo, já é a minha verdade. Ali na minha frente entre pares o ontem parecia uma eternidade, esquecera as feições, os gestos? Nunca fui bom em disfarces e naquele momento era evidente que já não era nenhum segredo que a alegria me deixara. Antes me descobrissem apaixonado, antes fosse uma vergonha do que este gosto amargo. Preocupa-me a amargura tomar conta e não saber voltar. Quando foi que me calei? Quando foi que o abraço ficou longe? Quando a indiferença passou a fazer mais sentido? E talvez a questão mais importante, eu que não sou ou deixei tirarem de mim?

É triste se perceber menor, mas é fundamental se perceber qualquer coisa. A consciência é a primeiro passo na mudança e a vida é um caminho que exige adaptações diárias, difíceis. Não se iluda pelos seus olhos, nunca acordamos no mesmo lugar. Algumas vezes nenhum espelho é capaz de dizer o que um estranho enxerga de primeira. Lutei contra a realidade, sim me falta a paz e liberdade, mas quando me disseram nunca terem me visto sorrir…..bom, pensei, nunca é tempo demais para um sorriso.

IMG_4732